• Ana Carolina Rocha

Quais são os impactos da inflação na sua rotina?



Inflação. Certamente você já conhece esta palavra e os impactos dela no nosso cotidiano. Afinal, inflação nada mais é do que o aumento generalizado e contínuo dos preços de bens e serviços essenciais. Na economia, o conjunto dessas categorias é chamado de cesta de produtos e inclui: alimentação, habitação, vestuário, transporte, saúde, despesas pessoais, educação e comunicação.


Ou seja: se a inflação em determinado mês for de 0,5%, isso significa que o aumento médio dos preços dessas categorias no período também foi de 0,5%. Lembrando que a elevação dos preços pode não ser uniforme, já que enquanto algumas categorias sobem, outras podem se manter intactas.


No Brasil, a medida mais comum da inflação é o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), embora existam outros. O valor do IPCA é calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).


Para entender o que é inflação, também é importante saber qual é sua causa. A inflação pode ser de curto prazo – aumentar em um mês – e de longo prazo – aumentar continuamente ao longo de um ano.


As causas são diferentes para cada um desses casos. No entanto, vale lembrar que esses são movimentos cíclicos da economia, nos quais uma ação afeta a outra. Nem sempre é possível isolar as causas de uma variação inflacionária. Abaixo, listamos causas geralmente associadas à inflação.


Causas da inflação no curto prazo:

  • Se o número de pessoas querendo um determinado item aumenta muito rápido, fica difícil garantir o fornecimento para todos. Nesse caso, dizemos que a demanda ficou maior do que a oferta. Nesses casos, o preço tende a subir, gerando inflação.


  • Aumento nos custos de produção: a inflação também pode aparecer quando fica mais caro produzir um produto ou oferecer um serviço. Com custo maior, a produção de algum item pode ser menor – com isso, a oferta (ou quantidade daquele produto disponível) cai ou os preços aumentam (para cobrir todos os custos extras). Existe inflação em ambos os casos.

Causas da inflação no longo prazo:

  • Emissão de papel-moeda: algumas ações do governo também podem fazer com que a inflação aumente. Quando os gastos são maiores do que os arrecadamentos, por exemplo, pode ser necessário “imprimir” mais dinheiro – ou seja, emitir mais moeda – para pagar as contas. Essa emissão faz com que o volume de dinheiro seja maior que a oferta de produtos e serviços. Consequentemente, os preços sobem.


  • Diminuição das taxas de juros: quando o governo diminui a taxa básica de juros, os seus investimentos passam a render menos. Além disso, os empréstimos ficam mais baratos. Essa é uma forma de estimular o consumo e a produção. No longo prazo, isso gera um aumento de demanda e pode acarretar no aumento da inflação.


Planejamento financeiro é a saída!

As causas da inflação são variáveis, conforme explicado acima, e não dependem de nós. Mas uma coisa é certa: nós podemos ter controle do nosso dinheiro para uma vida mais equilibrada e sem dívidas. Quem sabe a proximidade de um novo ano não te inspira a cuidar melhor das suas finanças? Separamos aqui algumas dicas que podem te ajudar.


Para aqueles que estão com as contas no vermelho é possível sair desta situação também. Nós da Super Simples, além de sermos referência em crédito consignado, ainda podemos te auxiliar nisso. Elencamos aqui algumas atitudes que fazem a diferença para quem quer voltar a ficar no azul.


Ficou com alguma dúvida?

Faça-nos uma visita ou deixe o seu nome e telefone abaixo para que um de nossos consultores financeiros entre em contato para melhor assessorá-lo, sem compromisso! É rápido, é fácil e sem burocracia.




RECEBER LIGAÇÃO DE UM

CONSULTOR FINANCEIRO


É grátis, aproveite!